Segunda Edição do Giro Cultural em Niterói faz homenagem ao Início dos festivos de Luís Antônio Pimentel

Autores
Luis Antônio Pimentel em 1938, no Monte Fugi no Japão.

Luis Antônio Pimentel em 1938, no Monte Fugi no Japão.

Aconteceu no dia 14 de janeiro de 2012, a Segunda Edição do Giro Cultural em Niterói, idealizado pela Nova Imprensa Oficial. Na ocasião de abertura dos festivos em homenagem aos 100 anos de Luís Antônio Pimentel, estiveram presentes muitos amigos e convidados do poeta-jornalista e de Carlos Mônaco, intelectual e filho do fundador da Livraria Ideal (Ponto de encontros dos intelectuais de Niterói), Silvestre Mônaco. Foi entregue a Luis Antônio Pimentel, às 11h, o Certificado de Cidadania por Carlos Mônaco, do Grupo Mônaco de Cultura. O evento foi marcante para a história de Niterói e para os amados convidados que prestigiaram o tão esperado momento.
A Segunda Edição do Giro Cultural traz para a Livraria Ideal o início das comemorações de 100 anos de Luis Antônio Pimentel, o poeta dos Haicais. A Homenagem seguiu com a entrega às 11h do Certificado de Cidadania ao Intelectual, escritor, jornalista e poeta de Niterói. Luis Antônio Pimentel concedeu autógrafos, entrevistas e recebeu o apoio, felicitações e os parabéns de amigos fiéis, que tem acompanhado a carreira do homenageado, e que tem sido considerado um dos jornalistas mais íntegros da cidade. O Giro é uma série de eventos que tem sido idealizado pela Nova Imprensa Oficial, presidido pelo presidente Haroldo Zager. O evento ocorrerá todos os segundos sábados de cada mês. O roteiro do evento segue em três pontos estratégicos: 1° A Livraria Ideal; 2°O Terminal Rodoviário Roberto Silveira, às 11h com eventos e a finalização, 3° na Sala de Cultura Leila Diniz ao 12h, com exposição de artistas e apresentações no dia do evento.

  • Luis Antônio Pimentel – sua trajetória e vida

Luis Antônio Pimentel nasceu em Miracema, no Rio de Janeiro em 29 de março de 1912.  Sua família se mudou de Miracema para Niterói quando ele era muito pequeno. O pai, Alarico Figueiredo Pimentel era funcionário público -Mesa de Rendas do Estado da Secretaria de Finanças; e sua  mãe, Adalgisa Sant’ana Pimentel, era doméstica.

Pimentel foi alfabetizado no Grupo Escolar do governo que funcionava na Rua Mendes de Sá, no sobrado, onde fica a atual companhia telefônica de Niterói. Depois, foi para o Colégio Salesiano, em Santa Rosa, no mesmo município.  E seguiu para a Escola de Aplicação Rui Barbosa, em frente ao Palácio do Ingá, onde terminou o Ginásio.

No período se extinguiu a 6ª série. E de lá Luis Antônio Pimentel saiu para a Escola Profissional Washington Luis – Antigo Ginasial, do então presidente da República dos Estados Unidos do Brasil. E assim estudou até o final da revolução de 1930. Após a Revolução, as escolas profissionais passaram a ser chamadas de Escola do Trabalho. E ao ter concluído os quatros anos do curso profissional da Escola do Trabalho, Luis Antônio Pimentel estudou na Escola Técnica Fluminense, que na época era considerada a Escola Prática de Engenharia -Curso Superior, dirigida pelo professor francês Antônio Eugênio Lattigé. O curso durava três anos, porém Pimentel cursou apenas dois anos de Engenharia Química Industrial, e abandonou a escola de engenharia para estudar na Escola de Belas Artes que fica na Avenida Rio Branco, através de uma prova feita.  Em dois anos de curso feito, abandonou, e iniciou as atividades como jornalista (Repórter). Trabalhou em vários jornais no ano de 1935, que segundo o jornalista foi o período de abertura de várias empresas jornalísticas. E segundo ele, para se tornar jornalista era necessário aprender na prática, com trabalhos realizados. E naquela época, os jornais mais populares para se trabalhar eram:  O Dia, A esquerda, O Globo, Gazeta de Notícias, Vanguarda, o País e outros.

  • Oportunidade para o Japão

Como Cronista, em plantão de carnaval, viu uma notícia no próprio jornal em que trabalhava – O Gazeta de Notícias do Estado o Rio de Janeiro, na Rua do Ouvidor: “Japão oferece bolsa de estudos para qualquer curso universitário”. E ao vir essa notícia, Pimentel se inscreveu na Universidade do Brasil – atual Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Por ser jornalista, foi muito bem acolhido pela instituição superior. E  Os custos das despesas foram todos subsidiados pelo governo do Japão, o que hoje é considerado um Intercâmbio Estudantil. Então, em 23 de março de 1937, Pimentel embarca no Navio Japonês (Tatsuta-Marun), que era da companhia japonesa Osaka Shosen Kaisha, de pequena tonelagem.

  • A viagem ao Japão

O Navio Japonês (Tatsuta-Marun) saiu do Rio de Janeiro, passou por Recife; Canal do Panamá; São Pedro em Los Angeles (E.U.A); Califórnia (E.U.A); e segundo o jornalista, pegaram uma grande tempestade em São Pedro nos Estados Unidos, até chegar ao Porto de Yokohama no Japão, ponto de entrada no país.

  • A Segunda Guerra Mundial – O eixo central

Luis Antônio Pimentel estava no Japão, quando em 02 de maio de 1937, a Europa se rompera em guerra com a Alemanha Nazista, e que o III Reisch, Adolf Hittler ocupara o território da Tchecolosváquia -atual Republica Tscheca e Eslováquia. Desta forma, foi declarada guerra contra aos aliados ( ex- União Soviética; França e Inglaterra).  Os E.U.A declararam guerra aos aliados do Nazismo Alemão, que incluía o Japão, quando a tropa japonesa bombardeou a ilha Pearl Harbor. Neste momento, Pimentel foi obrigado a retornar ao Brasil devido a evacuação feita pelo governo japonês, que declarou guerra aos americanos. E neste retorno ao Brasil, o jornalista começou as atividades de poeta com Haicai, e futuras edições no Japão de livros e poesias no Japão.

  • Amigos e leitores
  1. Dalma NascimentoDoutora em Teoria Literária e Literatura Comparada; Aposentada da UFRJ, que publicou um artigo sobre o aposentado, na época em que era editora do “O Correio” – jornal cultural de Niterói no dia 15 de setembro de 2002, afirmou: “Pimentel é um “arconte” da memória fluminense; preservador, intérprete dos documentos e das leis. “polis”, que quer dizer “cidade”. Pimentel é o “Arconte da Cidade”. Arkhé é o fundamento. Pimentel é a memória de aliança do passado cultural às gerações futuras. Acho essa homenagem ao jornalista-escritor fabulosa. Eu não poderia deixar de vir aqui para prestar essa homenagem a Luis Antônio Pimentel.”.

Em reportagem feita pela aposentada da UFRJ, Dalma do Nascimento, o jornalista foi homenageado em muito estilo: Jornalista; Membro do Instituto Histórico e de várias Academias de Letras, estudioso de provérbios populares e dos topônimos tupis; biógrafo de pessoas e lugares e membro do Calçadão da Cultura do Grupo Mônaco. Além de possuir a carteira Número Um da Sociedade Fluminense de Fotografia. Tendo vivido no Japão, trabalhou na Rádio de Tóquio e publicou em 1940, o primeiro livro de um poeta brasileiro no idioma nipônico. Pelo exercício de saberes tão múltiplos, é verbete da Enciclopédia Delta –Larousse. Colecionador de lembranças, revela em livros, artigos, fotos e entrevistas, a memória nacional e a do Estado do Rio.

  1. 2. Maria de Lourdes Barbosa é Professora e tem 66 anos. Leciona faz 22 anos. Fundou uma Academia de Letras com o patrono (Carlos Mônaco) e diz: “Luis Antônio Pimentel é a pessoa mais importante de Niterói. Não só pela cultura, não só pelo trabalho como jornalista, mas pela integridade moral, pelo o que tem feito de bom por Niterói. Pimentel é orgulho da nossa cidade. Pimentel já fez uma palestra na escola em que trabalhei, e os alunos adoraram. E eu nunca ouvi ninguém falar mal de Pimentel, e nunca ouvi Pimentel falar mal de alguém. Eu sempre o vejo alegre. O escritor é bom em tudo: Nos sonetos, no jornalismo, na poesia, etc. No mesmo patamar está o Mônaco, que tem seguido a carreira do pai (Silvestre Mônaco), que foi livreiro. Se eu estudei e adquiri intelecto, foi porque o Mônaco conseguiu os livros. E eu não tinha condições de comprá-los. São pessoas que nós temos que nos orgulhar. E o que fizerem por Pimentel e Mônaco será pouco, pois merecem muito mais. Estou ansiosa para a festa de 100 anos de Pimentel.”.

 

  1. 3. Aníbal Bragança é Professor do Instituto de Artes e Comunicação Social da Universidade Federal Fluminense (IACS-UFF). Ele nos contou que Luis Antônio Pimentel tem sido uma das próprias referências de sua vida. “Pimentel é um grande cidadão niteróiense. É um homem íntegro, um homem de princípios inabaláveis, que atravessou guerras, golpes de estado. Atravessou muitas fases, muitos governos e se manteve um cidadão exemplar. Além disso, Pimentel é um excelente poeta, um grande divulgador e principal divulgador da poesia nipônica no Brasil. Principalmente, porque ele viveu lá durante cinco anos.  E eu tive o prazer de organizar suas obras reunidas  e publicadas pela editora Niterói Livros, em 2004. Essas obras que estão em três volumes, as consegui reunir em uma parte muito significativa de Pimentel, inclusive, descobri através de pesquisas de jornais, pesquisas de arquivos articulares, uma quantidade de textos, uma grande produção que era completamente desconhecida. Já tinha sido esquecida, e eu pude reunir isso especialmente em um livro, que se chama “Crônicas do Rádio”. Na época áurea de Marroqui Veiga. É uma contribuição muito importante para a história do Rádio no Brasil. Luis Antônio Pimentel, antes de ir para o Japão era cronista de “ O Gazeta de Notícias”. Nas crônicas de Pimentel, percebe-se o surgimento do Rádio no Brasil.”, contou Aníbal, em entrevista na Livraria Ideal.
  • Biografia de Luis Antônio Pimentel como poeta dos Haicais

Luís Antônio Pimentel foi aluno bolsista em intercâmbio no Japão. Residiu entres os anos de 1937 a 1942 no Japão. Neste período, familiarizou-se com o Hacai, ao conhecer autoridades do Japão como Hagiwara Sakutarô e Takamura Kôtarô. Pimentel tem poesias traduzidas para o inglês, o alemão, o francês, o espanhol e o sueco. Pimentel foi um dos percursores do Haicai no Brasil. E tem sido responsável pela divulgação deste estilo de poesia ao lado de Olga Savary e Helena Kolody, com o livro Namida no Kito, obra escrita em português no Japão e traduzida para o japonês no ano de 1940. Pimentel se tornou o primeiro autor brasileiro traduzido para o japonês . Sua vasta obra literária conta com os livros como: Contos do Velho Nipon (1940), Tankas e Haicais (1953), Cem Haikais Eróticos e Um Sonho de Amor Nipônico (2004). E se encontra em três volumes publicados pela editora Niterói Livros, coordenada pelo Professor Nelson Eckhardt em 1953, sobre o texto integral de Tankas e Haicais. Sua primeira biografia foi assinada por Alaôr Eduardo Scisínio.

Estiveram presentes na Segunda Edição do Giro Cultural para início dos festivos de Luis Antônio Pimentel, Aníbal Bragança (professor do Instituto de Artes e Comunicação Social da Universidade Federal Fluminense (IACS-UFF), Haroldo Zagger ( presidente da Nova Imprensa Oficial), Renata Palmier (gestora da Sala de Cultura Leila Diniz), Franci Machado Darigo (presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Niterói (IHGN). E também presidentes das Academia de Letras de Niterói, e Fluminense de Niterói,  além do Presidente da Academia de São Gonçalo, vereadores, amigos e pessoas que acompanharam a carreira do jornalista, poeta e escritor.  Sobretudo a Imprensa de Niterói – O Fluminense e a TV Universitária da Universidade Federal Fluminense (Unitevê), e outros jornais de Niterói.
A homenagem aos 100 anos de Luis Antônio Pimentel acontecerá no dia 29 de março de 2012, no Campo de São Bento que fica entre as Ruas: Lopes Trovão, Domingues de Sá, Gavião Peixoto e Av. Roberto Silveira.

  • A Nova sede da Imprensa Oficial e Sala de Cultura Leila Diniz ficam na Rua Professor Heitor Carrilho, 81, Centro,  Niterói  – RJ Tels: (21) 2717-4141, perto do 12° Batalhão de Polícia Militar, site http://www.imprensaoficial.rj.gov.br/portal/.
  • A Livraria Ideal fica na Rua Visconde de Itaboraí, nº 222 Centro de Niterói. Tel: (21) 2620-7361, sobre administração de Carlos Mônaco e o filho (Carlos César) em horário comercial. Blog: www. grupomonacodecultura.wordpress.com. E-mail: grupomonacodecultura@gmail.com
  • O Terminal Rodoviário Roberto Silveira – Niterói – RJ na Av. Feliciano Sodré, s/nº – Centro – Niterói/RJ – Tel: (21) 2620-8847.

Por Cláudio Barbosa

Texto Revisado em 27 de março de 2016

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: